DOENÇA SENIL PDF Imprimir E-mail

Doença senil, demência em diferentes graus ou situações, Alzheimer... Independe de qual resposta, o grau ou motivo que desencadeou é sempre incerto e decisões sofridas deverão  ser tomadas...

Alguns pontos devem ser observados para melhor convivência com o idoso. Em primeiro lugar temos que ter como pano de fundo, que os idosos (por exemplo nossos pais) fizeram  suas próprias escolhas ao longo da vida e nós não somos responsáveis por elas, sendo que muitas vezes nem fomos consultados. Sendo assim, também temos que fazer as nossas escolhas.

Observe se o esquecimento de nomes, ruas, lugares, sabores começam acontecer. Se por acaso o peso está diminuindo...  Se o idoso mora sozinho verifique se a higiene pessoal, do lugar e se a eventual medicação esta sendo tomada de forma correta.

O andar passa ser mais arrastado, parece que está andando de chinelo. A experiência de vida faz com que a “esperteza” das respostas, muitas vezes nos confundam, pois não deixam a ”peteca cair”, fazendo com que muitas vezes as pessoas próximas não se dêem conta que precisam tomar providencias e retardar algum processo, melhorando a qualidade de vida. Não se pode fingir que nada acontece, pois o próprio amor acaba ficando comprometido e as relações prejudicadas.

Muitas vezes o discurso parece tão lógico e factível que deixa as pessoas em volta na dúvida se existe algum problema real ou é imaginação ou situacional. A relação com o dinheiro no idoso é sempre tema, pois muitas vezes aparecem queixas de roubo ou de alguma desconfiança frente um dos filhos. É comum isso acontecer com o filho com quem mais se relacione.

É importante que o idoso tenha acompanhamento de um médico que conheça as medicações, pois como as crianças, as dosagens para os idosos são diferentes e os efeitos colaterais são freqüentes.

O espaço físico a qual o idoso está acostumado deve ser mantido na medida do possível, pois ele vai sentir-se mais seguro. É comum a queixa de querer ir para casa (muitas vezes pode estar na própria casa) e pode ser “sonho” de uma casa e um período onde a vida ativa existiu.

A dificuldade em aceitar que quem amamos e por quem muitas vezes fomos cuidados tornem-se dependentes é muito difícil, entretanto o respeito deve existir e devemos deixar de lado os nossos sonhos de que tudo fosse diferente.

Da mesma forma não se pode deixar de cuidar de si mesmo, pois o idoso não pode ser responsável por vidas não vividas.